PORTEFÓLIO

TRADUÇÃO E REVISÃO

Traduzir faz parte da minha rotina diária, mesmo que não tenha encomendas. Nos últimos tempos, tenho andado de volta do livro The Way of Zen, escrito por Alan Watts em 1957. Mais do que conhecer a língua, interessa-me conhecer na língua, isto é, fazer do texto uma morada. Abaixo encontram-se algumas das minhas traduções, que podem ser lidas clicando nas imagens.

LEGENDAS

Desde 2011 que traduzo filmes exibidos em festivais de cinema. A tradução de legendas é um trabalho completamente diferente: quase sempre a contra-relógio, num registo menos literário e com regras particulares que têm que ver, por exemplo, com a velocidade de leitura. A variedade de pronúncias, a diversidade do vocabulário ou a presença de outros sons são alguns dos desafios da legendagem.  

  • The Royal Tenenbaums (Wes Anderson) exibido no LEFF 2011
  • Fantastic Mr. Fox (Wes Anderson) exibido no LEFF 2011
  • The Darjeeling Limited (Wes Anderson) exibido no LEFF 2011
  • My Name Is Julia Ross (Joseph H. Lewis) exibido na Cinemateca Portuguesa
  • The Responsive Eye (Brian De Palma) exibido no LEFF 2012
  • Dionysus in '69 (Brian De Palma) exibido no LEFF 2012
  • Woton's Wake (Brian De Palma) exibido no LEFF 2012
  • Ice (Robert Kramer) exibido no LEFF 2013
  • She Had Her Gun All Ready (Vivienne Dick) exibido no LEFF 2014
  • Liberty's Booty (Vivienne Dick) exibido no LEFF 2014
  • Koko, le gorille qui parle (Barbet Schroeder) exibido no LEFF 2015
  • A Master Builder (Jonathan Demme) exibido no LEFF 2015
  • Slacker (Richard Linklater) exibido no LEFF 2015
  • Loves her Gun (Geoff Marslett) exibido no LEFF 2015

PUBLICAÇÕES

SUPERNOVA

Este texto foi escrito no âmbito de uma residência de escrita e dramaturgia, orientada pelo escritor Jaime Rocha, pelo encenador Mário Trigo e pela actriz Ana Amorim. 

Teatro na Paisagem inclui textos de Jaime Rocha, Catarina Barros, José Manuel Batista e Ana Freitas. Foi publicado pela Biblioteca Municipal José Baptista Martins (Vila Velha de Ródão).

“Certa noite, fui pela calada descobrir a minha voz: ateia a pinha, acende o cigarro. Eram sempre ordens. Nunca me foi fácil cumprir. Certa vez tive que ficar de cócoras em frente ao lume até à última labareda. Quando o fogo fura o tabuado, a madeira geme e expele um líquido efervescente antes de se cobrir de negro. Pensei: deverei cobrir a cabeça de cinza? Estava pronta para reconhecer que havia um momento certo para cada coisa. Pronta para comprometer cada manhã seguinte.”

NÃO TENS DE QUÊ & TODOS OS FILHOS...

Voo Rasante é uma antologia de poesia contemporânea coordenada por Helena Vieira e publicada na Mariposa Azual em 2015. 

TODOS OS FILHOS DERRUBAM A ESFINGE / TODA A MÃE É UMA ESFINGE DEVORADA

o filho que escreve sobre a mãe
sem renunciar ao seu próprio lugar
ao próprio número
faz terapia com o leitor

ele supõe que há um centro e aponta
nessa direcção quer ir ao núcleo ao ninho
procura a reentrância
de onde possa ressair como espectador
e tomar o poder

está por decidir se é por heroísmo
ou cobardia que tal tarefa se lhe impõe
querendo libertar-se posiciona-se querendo
sair de si domina-se circunscreve-se
a sua acção é terapêutica
o seu objectivo é salvar-se

este é o filho sério o que nunca dirá
que a sua mãe não passa de um exercício

a verdade não é um lugar santo
com tapete à porta não é uma taberna
no faroeste o texto-fractal não se segura
na folha nada pode contê-lo

qual o significado destas frases? como
tornar limpo e claro o que se desdobra
a todo o momento a dança e a sombra da dança
o passo a imobilidade
o binómio elevado à potência total tornado número incompreensível

como ‘80 biliões de euros’
ou ‘quatro centos e vinte mil anos-luz’

o que se quer explicar antes
de se ter compreendido e o que se compreende
explicando? que há uma causa no futuro
e um índio descerá de uma estrela colorida

brilhante

XIII

ESC:ALA é uma revista electrónica de estudos e práticas interartes do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa. É editada por João Pedro da Costa, Mathilde Ferreira Neves e Rita Novas Miranda. O texto “XIII” foi publicado no número 2 em 2014 e pode ser lido integralmente aqui

A MORAL CERTA

Este texto de 2014, incluído no  Caderno 1 da editora Enfermaria 6, foi publicado originalmente no blogue COLECTIVO CHATO.

AR, ÁGUA

A revista GRATUITA reúne neste volume 24 textos editados entre Janeiro de 2013 e Março de 2015 na colecção “Caderno de Leituras”. Foi organizada por Maria Carolina Fenati e publicada em Belo Horizonte e em Lisboa em 2015. 

O texto “Ar, água” (acerca de Ibsen e Virginia Woolf) foi escrito no âmbito do curso de Obras da Literatura Mundial  sob a orientação do Prof. Gustavo Rubim. Pode ser lido integralmente aqui.

ISTO NÃO É POESIA

Este texto foi publicado em 2012 no segundo número da revista Golpe d’Asa, editada pelo CLEPUL. As fotografias foram tiradas pela Raquel Nobre Guerra numa visita ao cabeleireiro que veio ocupar o espaço deixado pela livraria Trama. 

A l’école des loups, l’enseignement commence toujours par la faim, epígrafe. Importa-me explicar, antes de me afundar no texto: que certas decisões, tantas vezes vistas como heróicas, são menos corajosas do que apavoradas; que aquilo que um homem faz, mesmo o mais nobre de entre eles, está ancorado desde o umbigo até ao mais fundo dos medos; que o mundo vive em banho-maria, sempre por terminar.” 

QUINTETO

Quinteto é uma antologia que reúne poemas de 4 poetas e desenhos de Maria João Lopes Fernandes. Foi publicado em Agosto de 2012 pela Artefacto. 

HOW TO BE ALONE

não foi em Kalkbreite nem sequer em Lochergut
mas na Zähringerstrasse, junto à biblioteca. vinha
de uma dessas avenidas que há em todas as cidades
onde lojas de moda convivem com livrarias, casas
de chocolates e um grupinho de punks

na memória uma ideia de pássaro, meu atributo
e uma gratidão quase solene

à minha volta os homens pousavam no lugar vazio
da imaginação e eu olhava, nunca mais de três segundos
a fim de manter o anonimato

a felicidade era as palavras de um poeta
no balcão da despedida: «a Dickinson tem um verso
sobre Zurique e não é triste»

era a Europa de ipod nas orelhas, era eu peninsular
agora ilha desconsolada com aquele livro compelling
and invigorating (cf. Times), no fundo, era
essa missa de corpo presente onde nenhum
pater me levava pela mão

rapariga sem flor na transparência da língua

WRITING (aka ESCRITA)

Na 2034, uma agência de publicidade em Lisboa, escrevi  regularmente para o guia de compras Campo de Ourique Shopping e para o blog da Nestum. Nos últimos tempos, tenho apoiado a Erica no desenvolvimento de conteúdos para a internet (site e blog).

 

EDIÇÃO

Na livraria Trama, editei os livros Quando Escreve Descalça-se (Miguel-Manso) e Rusga (Vasco Gato).